O que andam falando por aí - 2005

ANcapital  - Geral  - Fev 2005

 
Marchas são premiadas

Paulinho Carioca, com a marcha "Manezinho Maior", conquistou o primeiro lugar no 5o Concurso de Músicas de Carnaval promovido pela Prefeitura. A segunda e a terceira colocação, respectivamente, foram para Sílvia Beraldo, por "Onodi", e Márcio Martins, com "Cadê a Poesia?". Na categoria marcha-rancho, o vencedor foi Nelson Wagner, por "Apoteose de Prata", seguido por Manoel Daniel Filho, com "Sonho Lindo", João José Caldeira Bastos, "Se Me Quiseres" e Amaro M. da Costa, "Rancho para o Ribeirão".


Classificaram-se para a fase final as marchas "Cadê a Poesia?", de Márcio Martins; "Onodi", de Sílvia Beraldo; "Bin Laden", de Manoel Daniel Filho; "A Marchinha do Francês", de Irê Silva e Jorge Coelho; "Manezinho Maior", de Paulinho Carioca, e "Fio Dental", de Luiz de Souza.


Pela modalidade de marcha-rancho, obtiveram vagas as músicas "Lua", de Márcio Martins; "Batida do Coração", de Edison Evangelho; "Rancho para o Ribeirão", de Amaro da Costa; "Se me Quiseres", de João José Caldeira Bastos, "Sonho Lindo", de Manoel Daniel Filho, e "Apoteose de Prata", de Nelson Wagner.


Os vencedores de cada categoria vão receber premiação no valor de R$ 1,5 mil para o primeiro lugar, R$ 1 mil para o segundo e R$ 800,00 para o terceiro. Todos os primeiros colocados ganham igualmente o troféu Aldírio Simões, uma homenagem ao jornalista e carnavalesco morto em janeiro de 2004. As eliminatórias ocorreram na segunda e terça-feira à noite, no vão central do Mercado Público.

http://an.uol.com.br/ancapital/2005/fev/04/1ger.htm

Topo


Carta Abeta  - 26 de Janeiro de 2005

 
Tio Cesar responde sobre carnaval

(...)

Talvez um dos melhores programas seja o Onodi. O Onodi é o bloco do Campeche/Rio Tavares. Sai pelas ruas da região, vai a família toda, autêntico carnaval de rua. Como nada é perfeito, nos últimos anos tem se organizado e é recomendável comprar a camiseta para ir devidamente uniformizado. A camiseta, este ano, traz a estampa do Seu Chico ao lado da sua bucica. Explico: seu Chico é o dono do buteco que tem à beira do mar perto do Campeche (foto abaixo), figura lendária do bairro. E bucica é cadelinha, no dialeto local. Diz a lenda que um dia alguém chegou para o seu Chico e perguntou como era o nome da cadelinha que estava na porta do buteco. E ele respondeu "ô no di" (Nota do Tradutor: "eu não dei"). E a partir daí todo mundo começou a chamar a bucica de Onodi. A marchinha-tema do bloco 2005, diz quem já a ouviu, está bem bonitinha.

O Onodi sai, se não me engano, no sábado à tarde (neste link tem informações detalhadas e neste outro aqui, tem fotos do Onodi em carnavais passados). E dependendo da desenvoltura do participante, pode render programa para o resto do Carnaval, porque vai literalmente todo mundo. As casadas, as apartadas, as viúvas, as desesperadas, as dadas, as recatadas, as difíceis e as nem tanto. O nome do bloco, é bom explicar para quem não é de Florianópolis, tem um segundo sentido malicioso, que deriva de um dito popular: "óióióió, qués tê filho, qués tê filho? Vai dá como o di!" O nome, portanto, esclarece que "eu não dei", ou seja, "ô no di".

O ponto de encontro é na igrejinha do Campeche, às cinco da tarde. Daí sai em direção à Lagoinha do Rio Tavares e faz a curva no bar do Minga e volta. Perto da igrejinha, a festa continua, sob o formato de alguma coisa parecida com um baile popular. Arme-se, portanto, de ânimo e esperança, passe glostora nos cabelos e vá à luta: as animadas participantes do bloco, embora cantem "onodi", talvez estejam querendo dizer "querodá". No bom sentido, é claro.

Bom carnaval.

Posted by cesar at janeiro 26, 2005 09:10 AM 

(http://www.gardenal.org/cartaberta/textos/2005/01/tio_cesar_respo.html)



Topo


Diário Catarinense  Quarta, 02 de fevereiro de 2005, 12:57

 
Onodi - Seu Chico, do Sul da Ilha, vira enredo

Tradicional ponto de encontro, o Bar do Seu Chico, no Campeche, Sul da Ilha, ganha, a partir deste Carnaval mais popularidade: seu proprietário, o simpático seu Chico, virou samba-enredo do Bloco Onodi.

Seu Chico é um bem-humorado manezinho. Sobre a idade, costuma falar:

- 18 anos. De trás para a frente - brinca, enquanto serve petiscos e bebidas aos clientes.

Ele conta que sempre gostou de Carnaval. No Campeche, os bailes eram feitos nas casas mais antigas. Começavam às 16h e se encerravam por volta das 22h. Entre 1941 e 1944, seu Chico trabalhou na Base Aérea. Foi também professor de alfabetização, agricultor, pescador e suplente de delegado na Lagoa da Conceição.

- Nunca prendi ninguém.

O Bloco Onodi surgiu em 1998. Alguns foliões, cansados dos festejos da cidade com ocorrências violentas e sensibilizados com a falta de dinheiro da Banda Nossa Senhora da Lapa, do Ribeirão da Ilha, decidiram se unir. Sentiam, também, a necessidade de fincar as raízes populares. O primeiro desfile foi em 1999. Em 2001 surgiu o primeiro tema ONODI 2001 - Uma Odisséia no Campeche. A letra, uma espécie de hino mantido até hoje, é assinada por Jorge Coelho. Os temas têm a ver com a cultura local.

Antes que máli lhe pregunte: tás com a pomboca acesa?

Seu Chico, um símbolo da cultura ilhoa, merece.

Topo


Guia Floripa  Quarta, 02 de fevereiro de 2005, 12:57

 

Topo