Carnaval 2014

As fotos do ano de 2014 encontran-se na página do facebook do Bloco ONODI

www.facebook.com/BlocoOnodi

Álbum: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.761346873885181.1073741835.750427188310483&type=3
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.761346873885181.1073741835.750427188310483&type=3

 

 

O ONODI que olha o nosso passado e as tradições da Ilha com o olhar doce de quem quer segurá-los por mais tempo, busca nos mais velhos moradores e na história, aquelas tradições e aqueles “causos” que fazem a delícia do bom ouvinte, do ouvinte que quer saber, saber para reviver ou para contar para os filhos. Neste ano, o ONODI se junta a essas pessoas que gostam desta terra e de seus mais originais costumes, para fazer neste carnaval, uma reverência à comunicação.

O legado luso-açoriano que participa da formação de nossa identidade cultural é bem extenso, passando por brincadeiras infantis e adultas, folguedos, danças até formas variadas de comunicação religiosa e laica.

Neste ano de 2014, o ONODI está ressuscitando formas variadas de comunicação, claro, tudo dentro dos “conformes”, “timtim” por “timtim”, contadinho pelas pessoas que guardam estes conhecimentos.

Então vamos lá:

Pasquim - De acordo com o Dicionário Aurélio, pasquim é uma sátira afixada em lugares públicos, um jornal ou panfleto difamador. O pasquim foi e continua sendo um dos meios de comunicação apócrifos, de descendência açoriana, de grande beleza e criatividade. Eram manuscritos, em forma de versos, colocados em bares e vendas, ou debaixo das portas das residências, sempre que um assunto, "fofoca", envolvesse alguém da comunidade. Os boatos e gozações espalhavam-se rapidamente, sem identificação dos autores, para desespero dos envolvidos, que poderiam ser bem ou mal falados.

No Campeche, o pasquim eram folhas anônimas sempre no sentido satírico/pornô que apesar de sempre refletir a realidade de um acontecimento marcante se dobrava ao lado pornô/satírico para “zoar” com alguém/alguns.

Nos anos 70, no Brasil, o jornal O Pasquim era considerado “uma janela para a liberdade de expressão”. Reuniu grandes intelectuais brasileiros, todos muito gozadores que falavam sério, mas também faziam sátiras do então governo militar. Isto demonstra que este costume açoriano progrediu, não só aqui, mas onde havia uma situação que devesse ser gozada.

Pão-por-Deus - Brincadeira herdada dos descendentes açorianos, cuja finalidade era pedir a alguém uma prova de amor e de amizade. As pessoas faziam um coração de papel recortado, que continha um versinho e o enviavam, com um presente ou um bolo confeitado em forma de coração, sendo gentilmente correspondidas.

Sobre o Morro do Mato Dentro (conhecido como morro do Lampião dos anos +_ de 1970 para cá) no Morro do Mato Dentro atendia aos interesses do Campo de Pouso dos Franceses ou seja da Latecoere/Air France, que perdurou por pouco tempo - mais ou menos 13 anos –desde 1925.

Portanto, o “ Lampião aceso” pouco significava para a Comunidade e não interferia em seu modo de atuar, apenas contribuía para a manutenção do caminho de carretão, pois era necessário estar sempre limpo para que o responsável pudesse diariamente subir até o local (pico) para renovar o azeite (combustível) e acendê-lo e os demais moradores para cuidar de suas plantações e em busca de lenha.

A comunicação em geral era feita nas “bodegas” – Vendas - e repassadas de boca em boca, principalmente entre homens, já que era costume, diariamente, no começo da noite “bater ponto” na Bodega, até para escutar rádio, pois só estas tinham aparelhos, quase todos a bateria e de alto custo.
A comunicação entre as mulheres era feita nas “Fontes” – local para buscar água para consumo doméstico e também para lavar roupas – sendo próximas, mas distintas, a de lavar e a de beber.

Quando das festas, geralmente, a Diretoria da Capela passava de casa em casa para convidar e pedir donativos.

Assim também era feito o convite para os bailes. As moças eram especialmente convidadas.

Na Pesca (quando para o chamamento para fazer o Lanço ou seja para colocar a rede n’água) o modo mais usual e prático era fazer gestos de chamamento com o chapéu, capote – paletó , e o assovio/assobio, pois os praticantes da pescaria o identificavam perfeitamente, e o vigia não era qualquer um.

Quando era para chamar os que estavam em casa para atividades de pesca ou para, numa eventualidade, ajudar na guarda da embarcação/rede, geralmente era o assovio/assobio, capote, como também a buzina (soprar o chifre de boi) isto feito de um ponto das dunas mais alto, próximo ao rancho.

As novenas e missas geralmente através dos sinos da Igreja de “São Sebastião”, pois eram tocados três vezes, com espaço de tempo (sendo as novenas já identificadas por serem noturnas e as missas diurnas, com exceção das festivas).

Uma doença grave era conhecida através do hasteamento de um pano branco num bambu e os falecimentos, um pano preto. Os mensageiros percorriam a comunidade anunciando o evento.

Patrocinadores de 2014