Histórico


...E NASCEU O ONODI.


Quando os céus conspiram a favor de alguma boa intenção aqui dos terráqueos, podem crer, vai dar samba.

Querem um exemplo? Então, lá vai:

Ano de 1998.
foliões de carnaval com boas intenções, cansados do carnaval do centro da cidade por conta da violência, "tava divárde" sem saber o que fazer;
os mesmos foliões sensibilizados com a situação financeira da Banda Nossa Senhora da Lapa, do Ribeirão da Ilha, que não tinha R$400,00 para consertar seus instrumentos. (Eta falta de incentivo para a cultura!)
a necessidade de fincar as raízes das manifestações populares que agrupem, que alegrem, que salvem e que guardem características tão peculiares como a do manézinho e sua linguagem 
carinho pelo sotaque e pelas histórias desta ilha que fazem a graça e as delícias de qualquer forasteiro mais sensível, aberto para entender e ver outros jeitos. Juntou-se tudo isto, adicionou-se muitas doses duplas de amizade, espírito comunitário, dezenas de cerveja, discussões acaloradas e pronto, taí: nasceu o Bloco ONODI.

O nome só podia ser este, muito bem lembrado por uma integrante do grupo, uma homenagem ao cachorrinho do Tirelli, tapeceiro de grandes saudades, que ao perguntar qual o nome do cachorro que recebera de presente de um manézinho, ouviu a resposta: "ô no di!"

Assim 40 amigos se reuniram, deram R$ 10,00 cada e a Banda Nossa Senhora da Lapa arrumou seus instrumentos e saiu a frente do bloco no Sábado de Aleluia de 1999 porque choveu no carnaval daquele ano. Todos muito bem abastecidos pela carroça do "Seu Paraná" que carregava a cerveja gelada, num passo apropriado. E AÍ PEGOU! Além de tocar naquele dia a banda também presenteou a comunidade com uma serenata de Natal no final daquele ano. Tudo de novo no ano de 2000. Em 2001 surge o primeiro tema estampado na camiseta: ONODI 2001 - Uma Odisséia no Campeche. Para ser mais coerente buscou-se, além do samba feito pelo Jorge Coelho, temas colhidos para as camisetas, entre as pérolas dos ditados ilhéus e então em 2002 sai "Si qués, qués, em 2003: "Qués filho vai dácomo ô di!" e em 2004, brincando com o apagão e com a malícia ilhoa: "Antes que máli lhe pregunte: tás com a pomboca acesa?" Em 2005 homenagem ao Sr. Francisco Bregue - "Seu Chico" com a musica ONODI (2º lugar no V Concurso de Músicas de Carnaval de Florianópolis, Compositora: Silvia Beraldo, Interpretes: Denise de Castro e Claudia Barbosa. Em 2006 homenagem a Ana Honorata Vigganigo – “Dona Nicota”. Em 2007, comemoração aos 10 Anos de ONODI. Em 2008, Tema ONODI na Festa da Tainha. Em 2009, Tema, ONODI na Festa do Divino . Em 2010, Tema ONODI na Farinhada. Em 2011, Tema ONODI no Boi de Mamão. Em 2012, Tema, ONODI no SURFOCO. Em 2013, Tema, ONODI Culturas da Ilha. Em 2014, Tema foi COMUNICAÇÃO no Campeche. Em 2015, ONODI, no Morro de Lampião. Em 2016, Homenagem a BEL- ETERNA RAINHA DO ONODI. Em 2017, ONODI, o Tema foi seus 20 ANOS-ARTE DO ONODI. Em 2018 o ONODI Homenageou os ANTIGOS BAIRROS DO CAMPECHE, as composição musical de 2016,2017 e 2018 são de Lucas Chagas e Robson Corrêa.

 

Isolete Dozol e Paulo Roberto Riccione Gonçalves